Connect with us

Os Direitos Humanos e a Ação da Igreja

Sem categoria

Os Direitos Humanos e a Ação da Igreja

A Declaração Universal dos Direitos Humanos da ONU proclama a igualdade de todos os homens em dignidade e direitos, condena as discriminações de raça, cor, sexo, língua, religião ou opinião política, condena a escravidão e afirma a liberdade, condena a tortura, afirma o direito à justiça, à privacidade pessoal e familiar, à liberdade de locomoção, ao direito de asilo político, à propriedade, à liberdade de pensamento e consciência, à liberdade de expressão, de reunião e associação, à escolha livre de governantes, à previdência social, ao trabalho, ao lazer, à atividade cultural e a uma ordem internacional justa, etc.

Sua evolução deu-se à sua progressiva incorporação no plano internacional. Houve uma valorização do tema dos Direitos Humanos com a internacionalização das relações políticas e econômicas; a consolidação do mercado mundial; o desenvolvimento dos princípios de direito internacional público; etc. Agora, no século XXI, com a devida criação dos mecanismos e instrumentos de controle de ação dos Estados, a Declaração proporcionou a efetivação do cumprimento dos Direitos Humanos. Tais mecanismos e instrumentos deveriam promover ações de caráter e não de poder coercitivo. Assim, os Direitos Humanos, são a expressão da conquista social e apresentam um claro conteúdo político-social, além de deixar bem claro que é competência do Estado em reconhecer tais direitos e aplicá-los.

Falando da perspectiva contemporânea dos Direitos Humanos, não podemos deixar de analisar a sua devida aplicação no transcorrer da história humana. Desde os tempos mais remotos da civilização, o desrespeito aos direitos do homem tem maculado a beleza da criação de Deus ao criar o ser humano à sua imagem e semelhança. É só fazermos uma observação nos fatos que a história nos apresenta que constataremos a violação de vários desses princípios que são bíblicos. Por exemplo: o descaso com a vida humana ao se sacrificar centenas de milhares de pessoas; o autoritarismo ferrenho e inconsequente que subjugou (e ainda subjuga) nações inteiras; a falta de liberdade religiosa; o descaso social, a desigualdade na distribuição de renda; a falta de saneamento básico; etc. Enfim, se fossemos listar aqui toda a série de desrespeito aos direitos do ser humano no decorrer da história, teríamos que publicar um compêndio sobre isso.

Porém, o que mais nos entristece é que muitas dessas violações no decorrer da história do homem se deram em nome da fé (como por exemplo as Cruzadas); ou seja, por uma falta de compreensão adequada desses princípios que são bíblicos, muitos usaram de sua autoridade religiosa para fazer prevalecer seus interesses pessoais e corporativistas.

Quando focalizamos o nosso presente século, fica-nos evidente que mesmo nessa era de avanço científico e tecnológico, as atrocidades cometidas a milhares de pessoas demonstraram o tamanho do desrespeito alcançado por aqueles que veem o ser humano apenas como um objeto sem valor (ex: o nazismo; as ditaduras militares; intolerância religiosa, etc.). Hoje em dia fica cada vez mais evidente que os princípios da Declaração Universal dos Direitos Humanos não estão sendo aplicados como devem em vários países e nações.

Ao olharmos para o nosso Brasil, constatamos que esse desrespeito também é imenso pelo fato de vermos milhares de pessoas que ainda não tem acesso a uma moradia digna, uma saúde pública de qualidade, uma educação competente, etc. Vale também destacar a brutalidade e a crueldade dos organismos que foram criados para reprimir a violência e o crime se aproveitando das benesses que a corrupção pode oferecer; há ainda a discriminação social que os mais pobres sofrem em relação àqueles que são considerados como os “mais abastados”; a estupidez do trabalho infantil; o descompromisso das autoridades governamentais com o bem-estar social; a violência endêmica dos grupos de extermínio, os desvios de dinheiro dos cofres públicos que vitimiza a sociedade, etc.

Mesmo em nosso país o tema dos direitos humanos precisa ser abordado e aplicado de forma mais aprofundada e responsável. E, sem dúvida nenhuma, um dos caminhos que podem contribuir para que isso aconteça de maneira eficaz é por meio da influência da Igreja Cristã na sociedade que deve ter como meta não apenas a luta pelos seus interesses institucionais de presença religiosa, mas, sim, uma luta de engajamento ativo no debate e nas ações de transformação dessa sociedade decadente que cada vez mais vai se deformando em o nosso país.

À medida que vermos a Igreja se tornando relevante para denunciar, debater e propor soluções para os inúmeros desrespeitos aos direitos humanos praticados em nosso país, poderemos dizer que de fato a evidência clara e palpável do Reino de Deus se manifestou entre nós. Assim, é necessário entender que a Missão da Igreja não pode se restringir a apenas seu gueto religioso alienante. A Igreja deve se envolver ativamente e com engajamento pleno pela transformação desse mundo caótico. E se assim o fizer, poderemos dizer que ela está cumprindo integralmente seu papel.

Continue Reading
Veja também...

Capacitando e Desenvolvendo Pessoas Para o Pleno Exercício de suas Potencialidades

Click para Comentar

Deixe um Comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em Sem categoria

Facebook

Destaques:

To Top